Dicionário do pernambucano, aprenda pernambuquês

frevo-pernambucano1
Gírias de Pernambuco

Nada conta os pernambucanos, ok? Inclusive meu avô mora em Pernambuco e lá é um lugar lindo. Fui zoar uma vez uma pernambucana e ela não gostou não! Falei do sotaque dela, ela revidou falou que eu é quem tinha sotaque hehe. Bom achei uma lista bem interessante de gírias usadas por lá, vou ter que dividir o post porque é muito grande, beleza?

A

A BOLEU – Em grande quantidade, sem limite (Ex: Comprar a boléu)

A COMO É – quanto custa (ex: A como é o quilo do tomate, seu Biu? Prá senhora é de graça, freguesa)

A PULSO – ? força, na marra. Também se usa “na lei do apulso”. (Ex: Rafael foi estudar a pulso.)

ABESTALHADO – bobo, besta, pateta.

ABILOLADO – (ver. abestalhado)

ACOCHADO – apertado (ex: Se aperreie não, doutor. Vou deixar os parafusos da roda do carro bem acochadinhos)

AFOLOSADO – frouxo, quebrado. Ex: Não sente na cadeira, doutor, que ela está afolosada!

AJEGADO – O sujeito que é bem dotado.

AGUADO – Diz-se do café sem açúcar

ALCATIFA – Carpete

ALISAR – Moldura do batente da porta

ALMA – Contração de Alma-ceboza

ALMA DE GATO – Sujeito que gosta de aprontar, tranquino, treloso.

ALMA-CEBOZA – Ver alma-seboza.

ALMA-SEBOZA – Pessoa que tem maldade na mente (ex: Ladrão).

ALPERCATA – sandália de couro

ALTEAR – aumentar o volume da TV ou do aparelho de som

AMARRAR A CABRA – Embriagar-se, ficar de porre.

AMARRAR O JEGUE – ir embora.

AMOSTRADO – pessoa que gosta de aparecer, chamar a atenção.

APERREADO – Preocupado, com problemas, agoniado, situação de Stress, apoquentado, nervoso, em aperto financeiro.

APOIS – isso

ARENGAR – Implicar, discutir, brigar

ARRASTA-PÉ – Forró

ARRETADO(1) – muito bom, excelente, maravilhoso (ex: Êta dicionário arretado)

ARRETADO(2) – irritado, com raiva de algo ou alguém

ARRIAR (1) – quebrar, não suportar,

ARRIAR (2) – descer, baixar (Ex: Fulano arriou as calças)

ARRIBAR (1) – Subir

ARRIBAR (2) – Ir embora

ARRODEAR – dar a volta (ex: Mãe, o portão de casa está trancado. Arrodeia e entra pelos fundos, menino)

ARROMBADO (1) – é o cara que é o fodão, é o bonzão. Ver “Tampa de Crush”

ARROMBADO (2) – Bem, não precisa explicar né, o nome já diz tudo.

ASSANHADO – Pessoa empolgada, que chega junto das “muié”. Ex: Que menino mais assanhado, ja chega querendo me beijar!

AVALIE SÓ – interjeição equivalente a: imagine só, veja só.

AVEXADO – Apressado, afobado

AVEXAR – 1. Apressar, afobar. 2. Vexar, causar vergonha, humilhação.

AZURETADO – confuso, no mundo da lua
B

BACURAU – Último ônibus a passar na noite (Recife), também chamado de cata-corno. 2. Pássaro de hábitos noturnos.

BADOQUE – Estilingue, atiradeira.

BAITOLA – Viado

BANDA DE P??FANOS – Zabumba. Composta por dois pífanos, caixa, bombo, tambor e pratos. Tocam em solenidades religiosas ou profanas.

BAQUE – queda.

BARROQUINHA – O mesmo que covinha (da bochecha)

BATORÉ – baixinho

BEXIGA – Utilizada em expressão de espanto. (Ex. Tá com a bexiga. Que calor da bixiga).

BICHINHO – Forma carinhosa de chamar alguem. ex: Ei bichinho, venha aqui

BIGU – pegar carona

BILA – bola de gude

BILIRO – grampo de cabelo

BILOCA – (ó) Pênis.

BISCOITO/BOLACHA – biscoitos são DOCES, enquanto bolachas são apenas as SALGADAS!

BITI-BITI – pereba, machucados

BIXIGA – Ver bexiga.

BIZU – dicas

BLUSA – Blusas, blusinhas femininas ou Camisas Masculinas.

BOLA DE MARRAIA – Bola de gude.

BOMBEIRO – frentista de posto de gasolina.

BORA – Oi

BORA/SIMBORA – significa vamos embora

BORBOLETA – Personagem do auto popular Pastoril. Na versão sacra, o pastoril é representado por adolescentes e crianças do sexo feminino e a Borboleta é vivida pela menina mais jovem de cada um dos cordões (Borboleta).

BORESTA – Fazer nada. (Ex: Ficar de boresta)

BORIMBORA – Vamos embora

BOROCOXÔ – algo sem muito valor, desgastado. Ex.: Esse livro ta muito borocoxô.

BORRÃO – bloco de rascunhos.

BOTAR CHIFRE – O mesmo que botar gaia . Ver gaia .

BOTAR GAIA – O mesmo que botar chifre. Ver gaia .

BRINCAR DE MESTRE VITALINO – alusão ao artesão de barro mestre Vitalino que significa o mesmo que defecar. (não existe qualquer sentido pejorativo ao eminente artesão pernambucano)

BRONCA – problema (ex: Durma com uma Bronca dessas? !)

BUGIGANGA – Quinquilharia, objeto de pouco ou nenhum valor.

BULIR – mexer em algo ou com alguem.

BULIÇOSO – aquele que gosta de mexer em tudo
C

CABA/CABRA – referente a homen, menino, etc.

CABOCLINHO – O mesmo que cabocolinho. Bloco carnavalesco cujos participantes desfilam fantasiados de índio. O instrumento em forma de arco-e-flecha, marca o ritmo dos passos.

CABRA – 1. Sujeito, pessoa, elemento. 2. Fêmea do bode. 3. Mestiço de mulato e negro

CABRA BOM – (Ou caba bom ). Sujeito agradável, atencioso, educado, gentil.

CABRA DA PESTE – Homem forte, decidido. Referente a um homem ou menino de boa índole. Ex: Seu Chico ajuda a todos! Êta cabra da peste!

CABRA RÚIN – (Ou caba rúin ). Sujeito ruim, bandido, badernista, bagunceiro.

CABUETA – Variação de alcagüete, delator, dedo-duro.

CABUETAR – Variação de alcagüetar, delatar.

CABULOSO – que aperreia, nervoso, chato, peitica. Ex: Victor é cabuloso demais!

CACHETEAÇÃO – Variação de caceteação . Amolação, maçada: Deixa de cacheteação com a bola, jogador rúin!

CACIMBA – Escavação em baixadas úmidas ou leitos secos de rio, na qual a água se acumula como num poço.

CAFUÇÚ – Trabalhador braçal

CAGADO – Emprega-se para dizer que uma pessoa tem sorte: Fulano num (1) perde uma no dominó; ô bicho cagado! . (1) Ver verbete.

CAGANDO E ANDANDO – que não está nem aí, não está preocupado. Ex: Arier tá cagando e andando.

CAGANDO NA CABEÇA DA GALERA – vide “cagando e andando”.

CAIPORA – Indivíduo sem sorte e que dá azar; azarado, infeliz (Em Tupi, significa “morador do mato???.

CALDINHO – Comida típica. Uma espécie de sopa.

CALDO DE BILA – fraco, sem gosto

CALOTEIRO – quem deve e não paga. (Ex: Micróbio me deve 100 reais, caloteiro da peste !)

CAMISA – Qualquer camisa ou camiseta que possua mangas. Camisa Social, Camisetas Polo, Camisetas Normais, etc.

CAMISETA – Regata

CAMBITOS – Pernas finas

CANDINHERO – (ê) Variação de pronúncia de candeeiro . Aparelho de iluminação alimentado por óleo ou gás, com mecha de algodão em forma de pavio.

CANGAIA – o mesmo que cangalha

CANGALHA – pessoa com as pernas arqueadas.

CANGOTE – pescoço. (Ex. Dei um cheiro no cangote dela)

CANJICA – Cural

CÃO CHUPANDO MANGA – o bom, o cara que sabe tudo, o tal, o “tampa de Crush”, o “supra sumo”

CAPOTARIA – Tapeçaria

CAPOTE – Galinha de angola

CAPOTEIRO – seria o tapeceiro

CARECER – Precisar de

CATA-CORNO – (ver. Bacurau)

CATABIU – buraco na estrada

CATINGA – mau cheiro

CATITA – Camundongo

CATOLÉ – Variação de catulé. (Do Tupi). Palmeira cujo coco proporciona um óleo utilizado na alimentação; anajá; o fruto dessa palmeira.

CATOTA – meleca do nariz

CATUCAR – Cutucar

CAVALETE – Escada domestica

CEBOLA – Utilizada em expressão de espanto. (Ex. Tá ca cebola. Que calor da cebola).

CHAMEGAR – namorar, se esfregar no namorado (ex: Tás triste assim por que, mulher? Falta de chamego)

CHAPISCO – Aplicação de argamassa e areia (até cimento) no muro, para torná-lo áspero. A palavra se origina (onomatopéia) do ruído produzido pela colher do pedreiro ao jogar a massa até o momento em que ela (a massa) se choca com a parede.

CHAPOLETADA – pancada forte.

CHAVE ESTRELA – Chave Philips

CHEGAR – Expressão de despedida: Vou chegando , Vou chegar . Quer dizer: ir embora.

CHEGA TÔ/TÁ – Chego a estar. (Ex: Aqui tá muito quente, chega tô ficando suado. Essa manga tá bem madura, chega tá amarelinha)

CHEGUE – Venha cá

CHEGUEI(OU CHEGAY) – de corres berrantes, de gosto duvidoso.

CHEIRO – beijo

CHIFRE – Ver gaia

CHUMBREGAR – Ver sarrar

CHUNCHADA – Zumbido

CIRANDA – Dança típica do litoral pernambucano. Os participantes giram de mãos dadas, em círculo, com passo característico e cantam, repetindo um refrão, enquanto a cirandeira ou o cirandeiro canta versos memorizados de geração a geração, ou de improviso. Encontrada particularmente em locais como a “estrada de Paulista”, entre esta cidade e Olinda, e na Ilha de Itamaracá.

COCA-COLA/FANTA – gay (Ex: Fulano é coca-cola)

COMER BROCHA – passar por apuros, por dificuldades (ex: Comi brocha para mudar o pneu do carro)

COMER O CARTÃO – Ser demitido, mandado embora.

CONFEITO – Balas ou outros docinhos

CONTRA-CHEQUE – Holerith

CORTAR JACA – estimular, ajudar o namoro de amigos ou parentes

CORÔCA – lagartixa (no interior de Pernambuco)

CRÉU – utilizado quando algo é muito difícil (ex.: Eita negócio difícil do créu)

CU-DE-BOI – problema infernal, cunfusão

CUVICO – Variação de cubículo. Pequeno cômodo.

D

DA GOTA – quando alguma goisa ou alguém é muito legal. Ex: essa cerveja é da gota de boa!

DAR O CAGÃO – defecar.

DAR O LAVRA/DAR LAVRANDO – Sair de repente, sem deixar pistas. Sair repentinamente ou simplesmente ir embora.

DAR O MIJÃO – urinar.

DAR O PIRA – vide “dar o lavra”.

DAR O TANGO NO MANGO – dar problema, quebrar, dar a louca.

DAR UM X E XO – (ê). Não pagar a dívida.

DE HOJE A OITO – de hoje a oito dias, inclusive (ex: Você viaja hoje, Biu? Não, Zé, de hoje a oito)

DE JEITO MANEIRA – de modo algum

DÊ O LAVRA – Saia em quanto é tempo

DE ROSCA – algo difícil de ser realizado, duro de sair (ex: E este gol que não sai? Parece que está de rosca)

DENTIQUERO – Dente-do-ciso

DESMANTELO – Ato ou efeito de demolir, arruinar; derribar. Ver dirmantelo .

DIABÉISSO – o que é isso (”Que diabo é isso? ???”)

DIRMANTELO – Variação da pronúncia de desmantelo; diz-se ? visão de uma mulher muito bonita ( Uma mulher dessas é um dirmantelo pra qualquer homem! ). Ver desmantelo .

DO TEMPO DO RONCA – Muito antigo, velho demais: Esse carro é do tempo do ronca.

DOR DE VEADO – o mesmo que “dor desviada”; dor abdominal que dá geralmente em quem bebe muito líquido e vai fazer exercício logo depois.

DUDU – (ver sacolé)
E

E APOI – o mesmo que: e então!

E APOIS?! – Variação de Apois, que por sua vez já é uma variação da conjunção Pois. Indica espanto ao concordar com alguma coisa: – Você está animado para ver o jogo? – E apois?! Ou: – Você tá muito feliz, num tá? – Apois num tou?!

EITA – exclamação

EM GROSSO – No atacado. (Ex: Comprar em grosso)

EMPANZINADO – cheio de comer

EMPRENSADO – dia de folga vítima de feriado prolongado

ENCARNADO – Vermelho, da cor da carne.

ENCARNAR – 1. Perseguir alguém, incomodando, aborrecendo. 2. Avermelhar, dar cor da carne a estátuas e outros objetos; 3. ser a personificação de.

ENFORQUILHAR – Prender na forquilha; dar forma de forquilha a; sentar-se deselegante a cavalo.

ENTÃO – certo

ESBORRAR – Transbordar

ESCANCHADO – Aberto, separado; com uma perna de cada lado de alguma coisa; enforquilhado.

ESCANCHAR – Abrir, alargar as pernas, quando montado a cavalo ou jumento.

ESCAVACAR – Fazer em cavacos, despedaçar, quebrar.

ESMOLÉ – mendigo, pedinte

ESPETACULOSO – Algo muito chamativo

ESPREGUIÇADEIRA – Cadeira de encosto reclinável, também chamada de preguiçosa. Consiste numa armação de madeira, ? qual se adapta um tecido (lona) ou um pedaço de couro.

ESSE MENINO OU ESSA MENINA – vocativos. Por ex: – Que horas são, essa menina? – Hora de deixar de ser enxerido, esse menino? !

ESTAR COM A BEXIGA LIXA – estar com o diabo no couro, estar com tudo.

ESTAR COM A BOBÔNICA – igual a estar com a bexiga lixa, só que no interior de Pernambuco

ESTAR COM A FEBRE – variação de “estar com a bobônica” (ambos na verdade são corruptelas de “estar com a febre bubônica”), também usado no interior do estado. Evite usar esta expressão em Recife: vão pensar que você é “matuto”!

ESTAR COM A MACACA – mais uma variação de “estar com a bobônica, com a bexiga lixa”.

ESTAR COM A MOLÉSTIA – estar mais do que com a bexiga lixa, estar muito “arretado”!

ESTAR NO RATO – pessoa que está há muito tempo sem namorada(o) ou afins.

ESTILAR – Não gostar de uma brincadeira. Aceitar mal

ESTRUIR – Desperdiçar: Pegue só o que você é capaz de comer para não estruir o resto!

ÊTA – contração de “eita”.

EU ACHO É POUCO – 1. Expressão interjetiva com intenção de desprezo, escárnio, maldição: . 2. Nome de um dos blocos que desfilam no carnaval de Olinda.

EU ME ABRO – Diz-se quando a pessoa ri com alguma coisa ou alguém: Eu me abro com as piados de Zé Lezin .


F

FARDA – Uniforme

FARNESIM – Variação popular de frenesi. Delírio, desvario, arrebatamento, impaciência, inquietação, gastura, arrepio, comichão, agitação nervosa.

FARRAPAR – “Dar balão”. Marcar um compromisso e não aparecer.

FAZER O BALÃO – Dar a volta com o carro em um circular.

FECHECLÉR – Zíper, fecho de calça (vem do francês “fecho ecláir”)

FERA – Sujeito recém-aprovado no vestibular; algo bom, legal, interessante.

FILAR – No colégio, olhar a prova dos outros.

FODEU A TABACA DE CHOLA! – O que já estava ruim piorou de vez! Equivalente ao espanhol “Ahora és que si fodió todo!”. Note que “chola” significa cachorra vira-lata no cio. Bem, “fodeu a tabaca” dispensa maiores explicações.

FRISOS – Enfeites cromados em um carro

FÚBA – Fubá

FULEIRO – De má qualidade (objetos), sem-vergonha (pessoas)
G

GABIRU – rato grande; estado de “rato” muito grande(vide “estar no rato”).

GAIA – Variação de galha. Chifres de corno, o indivíduo vítima de uma infidelidade. Em outros estados brasileiros existem variações como pontas, chapéu de touro. Traição carnal numa relação a dois. Botar gaia? : função ativa na relação (principalmente a mulher: traidora, gaieira (1) ); Levar gaia? : função passiva na relação (principalmente o homem: traído, gaiudo (2) , chifrudo, corno). (1) Galheira; (2) galhudo.

GALEGO – pessoa loura ou alourada.

GELO BAIANO – blocos de concreto pintados de branco usados para separar as vias de trânsito.

GIRADOR – do trânsito de veículos: circular, rotatória.

GOSTO DE G??S – (ô) Forte entusiasmo, muita disposição.

GOTA SERENA – quase o mesmo que estar com a peste. gota serena é quando o sujeito está muito danado, muito animado; ele está com a gota serena.

GRAXA – molho de comida. Ex: – Está boa a comida? – Bote mais uma graxinha, a mode lubrificar o peritônio!

GRÉIA – azoação (ex: A festa foi a maior gréia)

GUAIAMUM – tipo de caranguejo de casco azulado e carne adocicada, muito apreciado por conterrâneos pernambucanos e turistas.

GUARAN?? – denominação genérica de qualquer refrigerante. Ex: – Que guaraná você quer, Juquinha? – Coca-Cola, mainha!
I

IAPOI – o mesmo que “e apoi”.

INFELIZ DAS COSTA OCA – É um tipo de xingamento. Ex: Aquilo é um infeliz das costa oca, um mal carater, um mal elemento!

INHACA – catinga, mau cheiro.

INTERAR – (Por inteirar). Completar: Me dê aí um dinheirinho preu interar minha passagem.
J

JANTE – roda do carro

JERIMUM – Moranga (abóbora)
L

LANTERNEIRO – funcionário da oficina mecânica que corrige imperfeições na lataria do carro.

LAVRA – Ver dê o lavra.

LENDA – Uma mentira que já surtiu efeito em pequenas comunidades, afetando seu modus vivendi, e que só foi descoberta tardiamente; mentira. Ex: – Mário me disse que capotou o carro 4 vezes e depois ainda saiu andando. – Isso é lenda dele.

LESEIRA – abestalhamento, idiotice, molesa.

LESO – abestalhado, demente, idiota, doido da cabeça.

LINGUA TRELOSA – pessoa que gosta muito de zuar, que fala besteira.

LISO – sem dinheiro.

LOLÓ – mistura de éter e clorofórmio utilizada como entorpecente no carnaval (é proibido e prejudicial ? saúde: causa câncer)
M

MACACO – ganbiarra, gato e cabrito

MACAXEIRA – variedade comestível da mandioca

MACHO – Valente, brabo, cabra da peste.

MAINHA – o mesmo que mamãe; diminutivo de mamãezinha.

MALA – Ladrões, almas-sebozas, etc. (Ex: A esta hora da noite os malas estão soltos)

MAL-ASSOMBRADO – Diz-se quando uma coisa não vai bem ou não está clara: Fulano está vivendo um casamento mal-assombrado; ou: Vive metido nuns negócios mal-assombrados .

MALOQUEIRO – menino de rua, pivete

MAMULENGOS – bonecos de espetáculos para divertir as crianças. Podem ser controlados por fios ou ôcos, onde se coloca a mão dentro para dar-lhes movimento. Teatro de mamulengos: pequeno palco onde os mamulengos se apresentam.

MANEIRO – coisa leve, que não tem muito peso (ex: Esse pacote está bem maneirinho)

MANGAR – tirar sarro

MARRETAR – furtar coisas de pouco valor.

MARRETEIRO – ladrão vagabundo.

MASSA! – interjeição: muito bom, legal, excelente!; fera.

MATUTO – caipira, pessoa do interior.

MEI MACACO, MEI SAGÜIM – Emprega-se para questionar a autenticidade de alguma coisa ou pessoa. (Ex: Ele me arranjou um pedreiro mei macaco, mei sagüim?”, “Botou uma comida mal-assombrada, um negócio “rúin???, mei macaco, mei sagüim!”)

MEI PEDA, MEI TIJOLO – Ver mei macaco, mei sagüim.

MEIO-FIO – paralelepípedos que separam a calçada da rua.

METIDO A CAVALO DO CÃO – metido a besta, sujeito que pensa que é muita coisa sem ser.

METRALHA – Entulho

MOCHILA – Sacola de mercado

MONSTRO(1) – uma pessoas sinistra de atitudes estravagantes (Ex: Tu é um monstro)

MÓNSTRO(2) – pessoa entendida sobre certo assunto. (Ex: “José é um monstro no tamborim! Toca muito bem”).

MORINGA – vaso de barro onde se armazena água.

MUGUNZA – canjica

MULÉ – forma de chamar mulher

MURIÇOCA – pernilongo.

MURRINHA – O mesmo que desgraçado, lascado. (Ex: “Tu és uma murrinha!”).
N

NARIZINHO DE PORROTE – nariz achatado e não muito saliente.

NA TODA – Com muita pressa, na carreira, em toda a velocidade: Quando soube do que estava acontecendo, Fulano saiu na toda para o local.

NO PRÓ – sem problemas, sem bronca.

NOPRÓ – problema de difícil solução (ex: Já recebeu o dinheiro? Que nada, deu o maior nopró lá no banco)

NOS CAFUNDÓS DO JUDAS – muito longe (variantes: “nos quintos dos infernos”, “onde o vento faz a curva”, “onde judas perdeu as botas”)

NÓ CEGO – problema de difícil solução, sujeito enrolado, complicado
O

O TAMPA – sujeito bom em algo.

OIÃO – Olho grande, inveja.

OITÃO – parte do quintal que dá para os lados da casa

OLHO DE BILA – Pessoas com o globo ocular saltado. Pessoas invejosas, com “olho grande”.

OVO – nada (Ex: Não entendi OVO)

OXE, OXENTE, UXE, UXENTE – interjeições de espanto (corruptelas de “oh, gente!”)
P

PAIA – mulher feia; festa desanimada; objeto ruim, de má qualidade; o mesmo que fuleiro.

PAINHO – o mesmo que papai; corruptela de papaizinho.

PANTEL – Brabo, corajoso. Variação para o masculino de pantera (quer dizer: o macho da pantera) . Palavra criada pelos “machistas??? de Ribeirão/PE, por não aceitarem o apelido de pantera (“palavra feminina para qualificar macho?! Ôxe!!???); assim, criaram o pantel .

PARADA – Ponto de ônibus

PAREDE E MEIA – perto, vizinho. Ex: minha casa fica parede e meia com o supermercado.

PASSARINHA – Placenta de vaca frita de aparência semelhante ? filé de Fígado.

PEBA – vagabundo, de má qualidade

PEGOU AR – Expressão que significa perder a paciência ou não gostar de algum comentário. (Ex: “Ôxe! Zé não gostou da brincadeira, pegou ar!”)

PEGOU EM MERDA – Diz-se quando alguém se dá mal em alguma coisa: Fulano pegou em merda!

PEGAR EM BOMBA – Ver pegar em Merda

PEGAR EM BOMBA CHIANDO – “Pegar em bomba” agravado.

PEGAR O BÊCO – Sair fora, ir embora.

PEGUENTO – suado, suarento; pegajoso.

PEITICA – insistência, renitência.

PEREBA – inflamação, ferida em qualquer parte do corpo.

PERRENGUE – dificuldade financeira (Ex: “To passando por um baita perrengue”).

PERRONHA – sujeito que joga mal o futebol.

PERÉBA – inflamação, ferida em qualquer parte do corpo.

PICHAIM – cabelo carapinhas, enrolado.

PICHETE – o mesmo que cabelo pichaim.

PINDAÍBA – sem dinheiro, passando por uma situação difícil. Ex: Estou numa pindaíba da febre.

PIRANGUEIRO – sujeito pão-duro, avarento

PIRIQUITA/PRIQUITO/PIQUITO – Vagina.

PIRRAIA – Variação de pirralho. Comum aos dois gêneros. Caracterização de quem é pequeno. Criança, guri.

PISA – Bronca. (Ex: “Joana deu um pisa na filha”).

PISAR – Ir embora. (Ex: “João pisou”).

PITOCO – 1. Botão de aparelho de som. 2. Coisa ou pessoa pequena.

PITOMBA – fruta de casca marron, interior viscoso.

PÃO BOLA / PÃO REDONDO – Pão hamburguer

PÃO CAIXA – Pão de forma

PÃO COM BANHA – Diz-se quando um homem faz sexo com uma mulher logo depois que outro fez: Você pensa que levou vantagem comendo Rosinha? Você comeu foi pão com banha de Fulano .

PARÊIA – Amigo, camarada (Ex.: Diga aí, parêia!)

PÉBA – vagabundo, de má qualidade; o mesmo que fuleiro, paia. De qualidade inferior, ordinário, reles.

PEGADO – “Dinheiro Pegado”, dinheiro alto, não trocado (Ex: nota de R$ 50,00)

POTOCA – Conversa sem importância. (Ex: Fulana tava lá conversando potoca)
Q

QUE NEM – igual a, tal qual (ex: Se avexe, menino, você hoje está que nem aruá)

QUEBRAR CATULÉ – “Quebrou catulé”. Diz-se quando a arma de fogo falha (não dispara); quebrar coco.

QUENGA – Mulher vulgar; Puta

R

RABO PRESO – Diz-se quando alguém tem comprometimento com pessoas envolvidas em coisas ilegais ou reprováveis: Fulano não abre o bico porque tem rabo preso .

RALA-BUXO – festa onde se pode dançar, forró

RAPARIGA – Prostituta (Ex: Filho de uma Rapariga)

RATO (TOU NO RATO) – Liso, quebrado, sem dinheiro.

RELAR – arranhar (ex: Foi passear de tobogã, relou a bunda)

RESENHA – resumo, história

RISADAGEM – Riso de perder o fôlego

ROCHEDO – “O cara é Rochedo”, o cara é gente boa, de confiança

RODAGEM – estrada (mais usado no interior do estado)

ROMPER O ANO – atravessar a festa de ano novo (ex: Onde você vai romper o ano? Em Boa Viagem, é claro)

ROÇAR A PITOCA – dançar coladinho, tirar um sarro.

RÚIN – Variação da pronúncia de ru i m (í).
S

SACOLÉ – picole em saquinho – gelinho

SAIMENTO – Atrevimento, enxerimento, saliência, exibicionismo.

SARARÁ?(1) – formiga pequena, da bunda vermelha

SARARÁ?(2) – pessoa de feições negras e cabelo alourado ou avermelhado (provavelmente resultantes do cruzamento de negros e holandeses).

SARGAÇO – algas marinhas.

SARRAR – Namorar se esfregando (compatível com o “dar uns máio”)

SE ABRIR – gargalhar, rir em demasia.

SEGURAR A VELA – acompanhar um casal de namorados ao restaurante, ao cinema etc.

SEM UM TOSTÃO FURADO – sem dinheiro. Ver “liso”.

SENTIDO – 1. Triste, pesaroso: O menininho chorava de um jeito tão sentido, que dava pena. 2. Começando a apodrecer, com princípio de cheiro e sabor ruins: Esta manteiga está sentida .

SINAL – semáforo

SORÓ – bobo

SUPRA SUMO – o bom, o maioral, aquele que está acima do “tampa de Crush” e do “cão chupando manga”

SUPRA SUMO DO CU DO PATO – o bom, o maioral, aquele que está acima do “tampa de Crush” e do “cão chupando manga”.
T

TABACA – Vagina, perseguida, vulva

TABACA RASPADA – Nome dado á Vila do Arlen

TABACUDO – bobo, “abestalhado”, abobado, “abilolado”

TABELIER – painel do carro

TAMBORETE DE ZONA – sujeito baixinho.

TAMPA – sujeito bom em algo

TAMPA DE CRUSH – é o cara que é “muito tampa”: o tipo do sujeito que toma uma Crush quente sem fazer careta!

TARECO – Biscoito de massa de pão-de-ló.

TIRAR O CABAÇO – desvirginar.

TIRAR ONDA – Tirar sarro

TORAR – partir, quebrar; desvirginar.

TORAR UM AÇO – sentir medo intenso, passar por situação de aperto. A origem do nome tem haver com a contração dos esfíncteres.

TOTÓ – Pimbolim

TOU NO RATO – (Ver rato).

TRANCELIM – Cordão de ouro, colar.

TRAQUINO – menino traquino, o mesmo que menino agitado, levado.

TRELOSO – o mesmo que arteiro

TRIBUFU – mulher feia.
U

UM PÉ LÁ?, OUTRO CÁ? – ir e voltar rapidamente. Diz-se também “Vou num pé e volto no outro”.

UNHA DE FOME – Diz-se de quem não gosta de gastar de dinheiro.
V

VENENO DO RATO – quando alguma coisa é muito boa, ex: esse cuscuz está o veneno do rato.

VIRADO NO MOLHO DE COENTRO – estar com tudo e não dever nada a ninguém. Ser capaz das maiores realizações, por exemplo subir em um pé de coentro sem curvar seu caule.

VISSE? – Por “Viste?”. Expressão largamente difundida no Recife: Hoje eu não vou, não, visse? ; ou: Tu visse o que aconteceu?! . Essa variação da segunda pessoa (pretérito perfeito) para o imperfeito do subjuntivo se dá em muitos outros verbos: Tu olhasse? ; ou, simplesmente: Olhasse? ; Fosse? ; Chamasse; etc. Existem também as variantes pronominais com emprego do pronome na segunda pessoa e verbo na terceira: Tu quer um pedaço de bolo?. Ou este outro tipo de construção: Adoro tu ; “Tou com saudade de tu…? (Dominguinhos e Nando Cordel, Gostoso Demais ).

VIXE MARIA! – expressão de espanto, de susto. Ex.: Vixe maria! Que cangaceiro perigoso da peste!

VO NÃO – não vai

VOINHA – o mesmo que vovó; corruptela de vovozinha.

VÔTE, HOMEM! – interjeição de espanto (corruptela de “Vou-te, homem!”). Mais usada no interior do estado.
X

XEREM – Polenta

XEXERO – (ê). Por seixeiro . Caloteiro, mau pagador, passador de xexo.

XEXO – (ê). Por seixo . 1. Calhau, fragmento de rocha. 2. Calote em prostituta. Consta que, ao tempo da mineração, o minerador sem dinheiro para pagar; prostituta fingia dar-lhe uma pepita e, em lugar disto, dava um seixo; daí a expressão: Passou um xexo ou Deu um xexo .

XIMBRA – Bola de gude.
Z

ZABUMBA . Ver banda de pífanos .

ZAMBETA – de pernas tortas

ZAROLHO – vesgo, que tem os olhos trocados

ZOADA – barulho, confusão (ex: Que zoada é essa? É o trio elétrico passando)

ZONA(1) – local do baixo meretrício

ZONA(2) – bagunça, confusão (ex: Joãozinho, vá arrumar o seu quarto, que está a maior zona)

ZUADA – o mesmo que zoada.